photo_2022-01-08_15-32-20pb.jpg

Pedra Branca do Araraquara

PROJETO MEMÓRIAS DE CUME

Programa de gestão dos cadernos de registros e instalação e manutenção das caixas de cume

nas montanhas paranaenses.

Cadernos de Cume

Caixa de cume sem caderno não serve pra nada!

Na atual fase do projeto definimos como ideal, utilizarmos um caderno padrão de capa dura com dimensões de 140x200mm e 96 folhas. 

Podem ser colocados na caixas de inox quadradas também. Mas se a caixa for antiga de PVC, o caderno deve ser de capa mole.

Cadernos com muitas folhas ficam muito tempo expostos às condições climáticas do cume e ocasionam maior deterioração e perda dos registros.

Adotamos a boa prática de termos sempre um caderno novo e uma caneta na mochila caso precise substituição em alguma caixa.

Recolhemos os que estão com pelo menos 75% das folhas usadas, anotamos num canto da capa a data de recolhimento e entregamos no clube para posterior digitalização.

Sim, pra quem não sabe nós digitalizamos os cadernos!!! clique aqui.

Dedicamos nosso tempo na digitalização dos registros feitos nos cadernos que retornam pra gente, para que todos tenham a oportunidade de ler novamente o que escreveram lá na montanha, anos depois! 

Mas não é feita nenhuma leitura prévia para seleção de conteúdos impróprios. Fica inviável essa filtragem feita voluntariamente. Portanto o conteúdo é de inteira responsabilidade de quem escreveu.

 

Não pulem páginas, não retirem folhas e nem escrevam besteiras, pois além do relato da sua contemplação do lugar ou "perrengue" do caminho, o principal objetivo da sua mensagem é AUXILIAR AS EQUIPES DE RESGATE numa eventual ocorrência.

Relate no caderno sua aventura brevemente, mas SEMPRE coloque a data e horário de chegada ao cume, quantas vezes ali esteve, a previsão de saída e a direção do próximo destino sendo retorno ou continuidade da caminhada em travessias (onde irá acampar por exemplo).

Imaginem o cenário em que um trilheiro sai para uma longa travessia numa serra em campos de altitude, e que no trajeto para a segunda montanha planejada, em meio à uma densa neblina, ele entra num rastro seco de córrego sazonal que parecia uma trilha e se perde!
Alguns dias depois, ele é encontrado pelo Corpo de Bombeiros próximo de onde se perdeu, pois através dos cadernos de registros, as equipes concluíram que ele tinha passado pelo primeiro cume mas não pelo segundo, pois não havia registro, reduzindo significativamente o perímetro de buscas, facilitando o resgate.

VALORIZEM E PROTEJAM OS CADERNOS!!!

- - - - -

Caixas de Cume

A presença de uma caixa de cume e um caderno numa montanha, além de proporcionar ao montanhista a oportunidade de registrar o relato de sua caminhada, serve como importante auxílio ao corpo de bombeiros e equipes de resgates em buscas e salvamentos.

Gerações 1 e 2:

Antigamente, as caixas eram feitas com material de fácil degradação como madeira e PVC. Os cadernos ficavam dobrados ou enrolados, e constantemente molhados.

Geração 3:

Em meados da década de 90, a criação do projeto no Clube Paranaense de Montanhismo teve como objetivo inicial, a substituição das caixas existentes deterioradas por novos modelos feitos de aço inoxidável e em formato quadrado, como as dos cumes dos morros Itapiroca, Olimpo, Araçatuba e Tucum.

Geração 4:

Em 2014, a caixa passou a ser produzida em aço galvanizado, com dupla pintura epóxi, no formato retangular e um pouco mais alta, permitindo que o caderno ficasse em pé assim como na anterior, mas dessa vez suspenso por duas hastes no fundo evitando contato com eventual umidade condensada na caixa.

O projeto para a 4ª alteração do formato da caixa surgiu também no CPM, mas desta vez contou com as excelentes ideias levantadas nas redes sociais pelos grupos de montanhistas, surgindo portanto o modelo que é usado até hoje no Paraná, sendo a caixa de cume oficial homologada no IAT-PR.

A caixa de teste nº000 foi instalada no morro Torre da Prata no PNSH, a caixa nº001 no morro Capivari Médio e nº 002 no morro Pedra Branca do Araraquara. Elas possuem número de série gravada em sua base.

- - - - -

​Estamos voluntariamente trabalhando na digitalização desses preciosos registros.

É um trabalho lento.

E quem sentir a vontade de contribuir conosco nesse trabalho e tiver em mãos um caderno cheio, poderá digitalizar por fotos. Do celular mesmo.

Indicamos posicionar o caderno em cima de um tecido preto ou azul escuro, acionar o flash do dispositivo, e tirar as fotos de todas das páginas na sequência, à uma distância de 30cm aproximadamente.

Enviar as imagens para um dos e-mails: presidencia@cpm.org.br ou gugapq@gmail.com

E depois não esquecer de entregar o caderno no clube para arquivamento ;-)

Os encontros ocorrem nas quartas-feira a partir das 19h30, na rua Flavio Dallegrave, 5044 no Boa Vista - Curitiba.

Clique aqui para ver o acervo dos cadernos digitalizados até o momento.

 

- - - - -

​​

IMPORTANTE:

- É um trabalho voluntário. A digitalização é feita na íntegra, contendo todos os registros. Não é feita nenhuma leitura prévia. O conteúdo ali escrito é público e de inteira responsabilidade de quem escreveu.

- Datas duplicadas ocorrem quando, além do caderno dentro da caixa, existem também folhas soltas com datas variadas.