top of page

CABEÇA D’ÁGUA, Fique atento!

Atualizado: 20 de mar.


cabeça-d'água-rio-mãe-catira-morretes - créditos: Sandra Manosso


Os rios próximos às regiões serranas são muito convidativos a um bom banho, o qual pode ser feito com segurança, seguindo algumas orientações e procedimentos.


Muitos rios estão sujeitos ao fenômeno conhecido como “cabeça d`água”. Trata-se do aumento súbito do volume, velocidade e nível do rio provocado na maioria dos casos, por fortes chuvas (ex.: panca­das de chuva de verão) que podem levar ao arrastamento de pessoas, seguido de morte por afogamento.

 

Nas cidades coladas à base da serra, como é o caso de Morretes no litoral do Paraná, torna-se mais fácil perceber a chuva torrencial que se inicia no alto dos morros do conjunto Marumbi e da Serra da Graciosa, facilitando a ação de evacuação da área de risco.

 

Mas quando uma tempestade ocorre próximo à nascente do rio numa cidade distante, o banhista pode ser surpreendido com o aumento repentino do nível e velocidade da água, mesmo com sol brilhando onde ele se encontra. Por exemplo, o Salto Santa Maria do Rio Das Cinzas em Tamazina, no norte do Paraná, fica à quase 80 quilômetros de distância de sua nascente em Piraí do Sul. E ainda conta com vários afluentes ao longo de seu curso. Se ocorrer uma chuva muito forte na região de Piraí do Sul, o Rio das Cinzas irá encher muito rápido podendo surpreender quem estiver de banhando no rio e na cachoeira abaixo.

 

cabeça-d'água-serra-da-canastra - créditos: autor desconhecido


Proteja-se! Considere algumas orientações:

 

·       Conheça o local que irá visitar. Se possível, estude o curso do rio e avalie a distância aproximada de sua nascente, se informando sobre as condições climáticas nas cidades próximas. Quanto mais longe estiver a nascente, maior o risco de surpresas perigosas.

 

·       Conheça as rotas de acesso e fuga. Muitas cachoeiras você terá que atravessar rios calmos na ida. Mas na volta pode ser impossível atravessar novamente.

 

·       Prefira contratar um guia credenciado e habilitado para lhe proporcionar o mínimo de segurança.

 

·       Consulte a previsão do tempo de toda a região e remarque a atividade para outro dia se houver possibilidades de chuvas.

 

·       Jamais se posicione no rio ou na cachoeira sem uma rota de fuga rápida planejada. Fique esperto. Faça uma análise dos riscos ali envolvidos. Os rios rasos e largos são convidativos para contemplação em alguma rocha no centro de seu leito. Mas se o rio encher rapidamente e o fluxo de água for grande em ambos os lados você ficará ilhado e sem saída.

 

·       Modere com as bebidas alcoólicas!

 

 

FIQUE ATENTO e SAIA DA ÁGUA IMEDIATAMENTE se perceber algum dos seguintes sinais:

 

·       Houver mudança no tempo e fechar para chuva. Pode ser que já esteja chovendo bem forte rio acima!

 

·       Ouvir barulhos (estrondos) provenientes de algo como água em agito, rochas e galhos em colisão e em turbilhonamento;

 

·       Mudança súbita na cor da água;


·       Aparecimento de pequenas espumas na água;


·       Chegada súbita de detritos e sedimentos como: folhas, galhos, ramos, etc.  


·       Aumento súbito do nível e velocidade de escoamento do rio em período de poucos segundos;




Acidentes com “cabeças d’água” são mais comuns do que se imagina. Priorize sempre a segurança.

 

Este post teve a contribuição do Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Paraná.

20 visualizações
bottom of page